Calcedónia: o percurso extravagante da PR1... 


 

 

Download

Download da Pequena Rota PR1 [PDF]


 

Se quiser ver as fotografias no tamanho original, clique nelas.

 

No Youtube...

 

No WIKILoc...

 

  O dia estava bom para ficar em casa. Contudo o hábito é maior que a preguiça e, por isso, levantamo-nos com a disposição de quem vai para férias num lugar exótico e longíssimo. 

aa ini percur calc 313x235   bb ini percur calc 313x235
Início do percurso:10Km!  

Mapa do Parque.

 Tínhamos tudo programado: o equipamento, o percurso, as botas, a capa...

 

Rumámos em direção a Covide pelos locais habituais. A nossa chegada a Covide, de onde se inicia a PR1 (Pequena Rota 1), constituiu fator decisivo para o regresso da chuva. Não desanimando, deixámos as carrinhas no largo do coreto e, de almoço às costas, munidos de mapa e de muito boa disposição, iniciámos a partida. 

a o tosko 313x235   b ini per 313x235
Café "Tosko".  

Marcas a obedeser...

 Parece incrível, mas a primeira paragem foi no café "O Tosko" para tomarmos o café (elemento que, sem nos darmos por isso, reparámos que faltava).

c ini perc 1 313x235   d ini percur 2 313x235
Bom sibal...  

Virar à direita...

 Lá reiniciámos o percurso entrando no lugar de Campos: um conjunto de casas de lavoura com gente muito simpática e bem faladora. Não se deixe enganar se lhe disserem que siga em frente no primeiro entroncamento. Numa outra altura fizemos isso e demonos mal. Vai passar pelo vale, um sítio inspirador e cheio de encantamento mas, a verdade, é que baralha. Siga corretamente as marcas do percurso que, aqui, com um x, impede a passagem e obriga a virar à esquerda. De qualquer maneira cá vão duas fotos desse tal atalho para seguir só para consultar em vez do psicanalista. 

  

eeee per alt 313x235   e per alt red 313x235
Pronto a abrir...  

Seguir...

 

eee per alt 313x235   ee per alt 313x235
Bucólico...  

Inverno...

 No referido entroncamento, onde está um típico castro e umas alminhas, vire então à esquerda e suba. 

f castro 313x235   f alminhas 313x235
O canastro ou espigueiro.  

Alminhas.

 A passagem é, depois, pela geira romana: um pequeno troço da estrada romana que vem de Braccara. 

g geira 313x235   g direita 313x235
Geira...  

À direita para o carvalhal!

Logo a seguir, siga pelo caminho da direita a caminho do carvalhal. Depois desse carvalhal, vire à direita (aqui a sinalização é fraca). O caminho abre-se e transforma-se em estrada. Repare na passagem entre morros. 

h entre morros 313x235   h aprov 313x235   h direita 313x235
Entre morros...  

Aproveitamento.

 

Vire à direita pelo trilho...

 Ao fundo chegámos quase a um aproveitamento de água. Aqui, junto a uma ruína de uma construção, vire à direita iniciando o verdadeiro trilho para a aventura. Logo abaixo existe uma ponte de pedra para passar com muito cuidado. Molhe os pés na água límpida e lave o suor da cara pois tão cedo é um bem que não se verá. 

i ponte 313x235   i molhe 313x235   i ini 313x235
O pontão: cuidado!  

Aproveite...

 

A subida: aprecie!

Começa a subida. Siga o trilho. Nesta parte não há que enganar. Vá devagar e leve água potável. Vá parando e bebendo, dependendo, claro está, da temperatura ambiente. Mas, mesmo com mau mau tempo, vai ver que essa água se vai transformar num bem muito precioso. Esta subida é de uma beleza incrível, e nós, useiros e vezeiros nesta coisas do Gerês há muitos anos, reconhecemos que, na realidade, são das paisagens mais graciosas e fortes que já vimos. Olhe para o chão para ver as pedras do caminho mas levante a cabeça para apreciar. Não se esqueça: divirta-se! 

j cascata 313x235   j cascata 1 313x235   j abilio 313x235
A cascata, ao fundo.  

A cascata, a meio da subida.

 

Apontando...

Depois é andar, andar, apreciar, apreciar, seguir a sinalização do trilho, apreciar, respirar, sentir-se vivo, enfim, confusão de sentimentos que só por quem lá passa é capaz de os não conseguir descrever. 

l pasagem 1 313x235   l passagem 313x235   l megalitico 313x235
Passagem...  

Subir...

 

Parar para pensar...

Agora nos apercebemos do fator militar desta zona no tempo dos povos castrejos e dos romanos. Na realidade este percurso perpassa por um conjunto de nichos, sombras, sentimentos assustadores, como quem olha para um Deus criador, capaz de mover montanhas com estas, capaz de amontoar, como se de uma construção de massa de barro se tratasse, rochas megalíticas.

 

m mega 313x235   m mega 2 313x235   m mega 1 313x235
...  

...

 

...

 

n mega 5 313x235   n mega 4 paisa 313x235   n mega 3 313x235
...  

...

 

...

 

o caminho 313x235   o gruta 313x235   o gruta saida 313x235
   

 

 

 

Depois de voltas e mais voltas, sempre seguindo o trilho e as indicações sinaléticas, serpenteando ao sabor das pedras que marcavam o trilho, eis que somos chegados a uma gruta, na altura com muita água. 

p cal 1 313x235   p cal 2 313x235   p cal 3 313x235
Emergindo...  

A paz...

 

O sopé...

Passando pela gruta, curvando-nos perante tamanha força, emergindo das entranhas da montanha, avistámos a paz do sopé do morro da Calcedónia. Ao fundo, a placa de identificação do sítio. 

q entr calc 313x235   q entr placas 313x235
A entrada.  

As placas.

Olhar para a entrada e percorrê-la é de cortar a respiração. Depois de tamanho esforço, levando aos limites físicos, e por vezes psicológicos, os caminheiros, é-nos pedido, inesperadamente, nova aventura. entrar e subir até ao cimo do morro. 

r calce entr 235x313   r calce entr  1 235x313
fenda: entre com cuidado!  

Assusta, um pouco.

Não nos fizemos rogados e, apesar de, na altura, o frio e a chuva levarem vantagem, subimos com firmeza os obstáculos que sobravam. Foi a coroa de glória por cima da nossa vontade. 

s cimo morro 1 313x235   s cimo morro 313x235
Lá de cima...  

No topo...

Depois disto, descer torna-se um ato de nostalgia difícil de percorrer. Valeu-nos, efetivamente, a beleza da descida. Enquadrados por árvores como o carvalho (Quercus robur) e o pinheiro (Pinus pinaster), descemos tendo sempre como pano de fundo Covide. O serpentear foi maravilhoso. A cada passo uma descoberta de recanto, de verde, de ar, de paisagem: levante a cabeça e aprecie. Não se deixe levar pela tentação de estar sempre a olhar para as pedras do caminho. Foque a sua atenção na largura dos 180 graus da sua visão. 

t descida 1 313x235    
Iniciar... o fim!  

Covide, ao fundo.

 

Carvalho.

 

   
Apontando...  

Natureza...

 

A força...

 Inevitavelmente, o fim da caminhada aproximou-se quatro horas depois. Esta foi uma verdadeira experiência de resistência e de capacidade de apreciar as coisas que realmente interessam; prosseguir um objetivo e apreciar o resultado deixando aquilo que pouco interessa para trás: o cansaço. 

u fim 1 313x235   u fim 2 313x235   u fim 3 313x235
Cansaço!  

Refrescante...

 

Outra ponte.

 Depois da descida, chegámos ao fundo, ao rio que tínhamos atravessado junto ao aproveitamento quase no início da caminhada e onde ainda não era percetível o grau certo de dificuldade. 

v buco 1 313x235   v buco 2 313x235   v buco 3 313x235
Lameiro.  

Caminho: outro carvalhal.

 

Saudade.

 Aqui era a paz, o descanso. Acabáramos de conseguir. Chegáramos ao fim: a placa o indicava; mas o cérebro prometia mais. Até à próxima... 

x fim 1 313x235   x fim 2 313x235
Restaurante "Calcedónia".  

O princípio...