O fojo: a alma de [lobo em] Fafião!


 

Se quiser ver as fotografias no tamanho original, clique nelas.

No Youtube...

 

No WIKILoc...

 

  Uma curva aqui, uma curva acolá por entre os penhascos e precipícios gritantes da magnífica Serra do Gerês, para conseguirmos encontrar a curiosidade que nos tinham relatado certo dia: o fojo do lobo, uma série de muros de pedra, construídos na Idade Média, que serviam como armadilha de lobos.

 

01   04   40
Uma série de muros de pedra...  

Dar ao sítio certo...

 

Colocada há mais de mil anos...

 

Viemos de tão longe dar ao sítio certo. Na altura de um largo soalheiro, defronte ao café "Retiro do Gerês", estacionámos o carro. Então, percorremos as redondezas à procura de uma clarividência. Perscrutando em todas as direções, olhámos para a nossa esquerda e vimos os telhados de Fafião. Ruas estreitas do lugar, ladeadas por edifícios de pedra que pareciam ter sido colocadas lá há mais de mil anos, lembraram-nos as histórias de Miguel Torga.

 

13   07   08
Ruas estreitas do lugar.  

À procura de uma clarividência.

 

Contornando o caminho...

 

Saímos de Fafião, a pé, contornando o caminho, até vermos uma ou duas linhas escuras que parecem encaixar-se e ainda desafiam os contornos naturais de uma colina próxima.

 

09   10   11
Contornos naturais.  

Dois muros de pedras.

 

Examinar o ajuste...

 

Estamos a meio da encosta e lá estão eles: dois muros de pedra, três metros de altura ou mais, linhas paralelas e distantes, fugindo para longe de nós. Aproximámo-nos de uma das paredes para examinar o ajuste das pedras, cada uma das quais balançando contra as outras, sem necessidade de argamassa. Entre os espaços, fragmentos de pequenas pedras colocadas confortavelmente e perfeitamente. Isto só nos leva a pensar no cuidado enorme por trás dessa construção.

 

12   14   15
... fragmentos de pequenas pedras...  

Novamente nós a pensar...

 

Compreender tal negligência.

 

Lembrámo-nos, então, da passagem de uma das histórias de Torga, onde diz que “(…)as pessoas que lá moram, afeitas a horas longas, têm uma paciência de relojoeiro, cheia de mil cálculos e de mil ponderações. Exatamente como nas leiras, onde a gente vê semanas a fio o mesmo pé de milho parado, meditativo, enigmático, a aloirar encobertamente a sua espiga, assim nos homens mais pasmados, mais lentos e mais metidos consigo, anda às vezes uma resolução secreta a criar e a amadurecer. E saem obras tão perfeitas destas meditações, tão acabadas na conceção e na forma, que só o dedo da providência, porque aponta do céu, é capaz de lhes evidenciar os defeitos de fabrico. (…)”

 

16   17   18
Não haja ilusões...  

Os rebanhos na serra sem pastor...

 

Escolheu cuidadosamente o terreno...

 

Continuámos ao longo do muro, para ver como, eventualmente, se estabelece a diminuição do espaço entre este e a outra parede, os dois finalmente levando a um profundo poço de pedra que representa a armadilha final. O poço abaixo está cheio de ervas daninhas acabando nós por não compreender tal negligência – seria ótimo aventurarmo-nos por lá, entre as almas de tantos lobos inquietos e raivosos à espera do último suspiro.

 

Novamente nós a pensar em histórias de Torga, onde os pastores “(…) que conhecem as suas ovelhas uma a uma, como se fossem pessoas (…)”, ouvem a homilia de “(…) Nosso Senhor, sempre pela boca sem dentes do abade, recomeça a ralhar. Que o fim do mundo está perto e que não haja ilusões. Todos para as profundas dos infernos! Os velhos, as velhas e os novos. Ficam só as ovelhas. (…), aí, [o povo] desespera. Chora umas lágrimas negras, barrentas, e geme como quem uiva. Os rebanhos na serra sem pastor!”. O povo chora, não por eles próprios, mas com o pensamento nos seus rebanhos deixados para trás sem ninguém para defendê-los dos lobos famintos.

 

 

19   20   21
Exercícios elaborados de arquitetura...  

Drama...

 

Astúcia.

 

Este fojo do lobo vai para lá de exercícios elaborados de arquitetura. É uma construção pessoal.

 

A primeira vez que vimos estas paredes, ficámos impressionados principalmente pela sua construção, mas agora, pela segunda vez em visita, vemos porque alguém, há muito tempo, escolheu cuidadosamente este terreno para construir o fojo do Lobo. Vemos a astúcia da colocação das paredes.

 

22   23   24
Terminar abruptamente...  

Prometedora vista...

 

Cães, uivando...

 

Não somos especialistas em lobos, mas, estando aqui, podemos imaginar um drama acontecido há muito tempo.

Imagine que cães latindo e homens gritando atrás do lobo provocam nele apreensão pelo ruído e a fuga pelo espaço vazio à sua frente. Então, ele mal repara na parede de pedra, paralela à sua fuga e longe da sua direita, que desaparece no horizonte deste monte e mal percebe a parede oposta à sua esquerda que parece terminar abruptamente na curva distante. Por sua vez, mantém os olhos na prometedora vista diante dele sobre as montanhas arborizadas, para lá, para onde ele pode escapar e depois voltar outro dia para outra ovelha.

 

25

Desviou, bruscamente, para a esquerda...

 

Então, o lobo continua correndo na direção desta colina, indiferente, até atingir a crista, onde, finalmente, vê o que não podia ter visto antes. Aquela parede à sua direita tem uma curva acentuada para a esquerda, tirando-o da montanha, e é uma barreira que continua ao longo da descida do monte. Mas a segunda parede, à sua esquerda, aparentemente terminou, então ele corre naquela direção, apenas para descobrir novamente o que tinha sido só ilusão dos seus olhos: ela também se desviou bruscamente para a esquerda, em direção ao poço. Corrida de ida e volta, ele descobre que cada muro alto resiste ao seu possível pulo, enquanto os cães uivando e os gritos dos seus donos se aproximam.

 

26

Agora, em silêncio!

 

Só pode tentar escapar por onde as paredes estreitam o seu possível caminho até parecerem deixar uma abertura por onde possa passar. No entanto, quando o lobo corre através dessa aparente passagem, não há nada a seus pés exceto uma falha, um buraco redondo forrado com troncos. Cai e nada mais lhe resta senão esperar, inquietamente, a chegada dos cães latindo e dos homens, agora em silêncio.

 

28   29

Caminhando, de novo...

 

Para os mais espertos, a vida...

 

Caminhando de novo para o carro, não podemos deixar de pensar que este terá sido um espetáculo cruel mas necessário tendo em conta uma exploração rentável dos pastores, sem bichos a ameaçar o seu sustento. Mas é assim que a evolução funciona: para os mais fortes, vida.

 

51 313x235   30   31
O Sol trabalhou...  

Na direção da Terra.

 

Astúcia e crueldade necessárias.

 

O sol trabalhou, também, à sua maneira indo na direção da terra, deixando à vista um bom pedaço de céu avermelhado. De algum modo, foi o espírito desta aventura: astúcia e crueldade, mas ambos necessários para a vida do dia a dia deste povo da montanha.